segunda-feira, novembro 06, 2006


André Kertész, Homing Ship (Central Park), New York City, 1944, print c. 1970

___

8 comentários:

Lis disse...

O barco e a água... fora do elemento.

hfm disse...

Outonalmente belo como um pássaro que passa.

heitor disse...

Obrigado pelo Kertész.
O primeiro livro de fotografia que comprei, já lá vão mais de vinte anos, foi precisamente um álbum do André Kertész, 200 páginas que me deslumbraram.Lá está Homing ship, de 13 de Outubro de 1944.
Não sei se sabes mas o poeta dadaísta Paul Dermée escreveu um poema para um catálogo de uma exposição do Kertész. Extracto:

«Eyes of a child whose every look is the first,/
which see the Emperor naked when he is clothed in lies;/
(....) /
No rearranging, no posing, no gimmicks, nor fakery./
Your technique is as honest, as incorruptible, as yor vision./
In our home for the blind,/
Kertész is a Brother Seeing-Eye. »

Luísa R. disse...

Lis, exacto!

Helena, bem-vinda :O)

Heitor, não sabia. O poema é lindíssimo... Obrigada.

intruso disse...

abstracção
equívoco
poesia

(uma das fotos mais bonitas que vi nos últimos tempos, mesmo...)

Lis disse...

Há muito silêncio, aqui.

Luísa R. disse...

Intruso,
Concordo contigo.
Também acho que é uma das fotos mais bonitas que vi nos últimos tempos.

Luísa R. disse...

Lis,
Na foto ou no blog? :O)
É que andei com muito trabalho nos últimos tempos (e ainda continua...) o que me afastou um bocadinho daqui :O(